Leo Vinicius – A Guerra da Tarifa

A GUERRA DA TARIFA (2004)
Leo Vinicius

ESGOTADO

guerracapafteFormato: 14 X 21 cm
64 pgs.

Baixe o PDF do livro aqui: Leo Vinicius – Guerra da Tarifa

Pegando carona nos recentes acontecimentos que envolveram a questão do transporte nos últimos meses em alguns locais do país, achamos por bem publicar um relato libertário sobre esses acontecimentos. Escolhemos, para isso, o texto A Guerra da Tarifa de Leo Vinicius que conta a história das manifestações contra o aumento do preço dos transportes públicos em Florianópolis e da reivindicação pelo passe livre para os estudantes. O sucesso do movimento, que foi relatado no livro, inspira hoje outras movimentações semelhantes em todo o país. Seu caráter libertário mostra a toda a sociedade que existem práticas políticas muito mais interessantes que o jogo corrupto e burocrático exercido pelos partidos políticos. A publicação desse texto busca, entre outras coisas, dar um novo fôlego aos movimentos de ação direta e inspirar as práticas libertárias de reivindicação para que se espalhem ainda mais pelo Brasil e pelo mundo! Faísca Publicações Libertárias

Não foi uma revolução, evidentemente […], mas não esteve longe de ser uma insurreição. E era difícil prever o que poderia ocorrer naquela quinta-feira, 8 de julho, caso, pouco antes da meia-noite de quarta-feira, através do Poder Judiciário, a classe dirigente não houvesse revogado o aumento das tarifas. O ultimato dado pelo movimento, a convocação de megamanifestações e a desobediência civil generalizada, deixaram a cidade em verdadeiro clima pré-insurrecional. Havia planos de ocupar/tomar pontos simbólicos de poder, como a Prefeitura, a Assembléia, etc.. Enfim, se a massa resolvesse tomar esses lugares e se achar no direito e no dever de se autogovernar, a situação poderia sair completamente do controle das autoridades constituídas (e destituídas!), ou pelo menos ser criado um abalo político sem precedentes na cidade. E a classe dirigente sabia bem desse risco e dessas intenções, deixadas vazar propositalmente como parte de uma guerra psicológica. Mais uma vez, e como sempre, é a perspectiva revolucionária que arranca as reformas e reivindicações pontuais. É preciso almejar e planejar a revolução mesmo para conseguir melhorias neste sistema.
Leo Vinicius

 

Anúncios